Olija – Review

Olija – Review

15/02/2021 0 By Francisco Fonseca

Olija é um jogo de acção 2D criado por Skeleton Crew Studio e Thomas Olsson, publicado pela Devolver Digital. Está disponível para todas as consolas principais actuais: PS4, Xbox, Switch, PC.

Este jogo é um sobre o qual tenho alguma dificuldade em formar uma opinião, honestamente. A nível superficial, eu acho que é um jogo bom, com mecânicas e momentos que são genuinamente bons no momento, mas que após se analisar um pouco mais a fundo perdem o lustre.

Um exemplo disto é o arpão que serve de arma principal do jogo e que é essencialmente o núcleo mecânico do mesmo. Todo o jogo, e sistema de combate, revolvem à volta de se lançar o arpão a um alvo (inimigo, caixa, alvos específicos) e ter-se a opção de fazer dash até ele. Superficialmente eu adorei esta mecânica. Mobilidade em jogos sempre me interessou e é difícil ser-se mais móbil que ter este dash de longo alcance e basicamente até onde quisermos.

Depois comecei a aperceber-me de algo. Esta mecânica quase não tem profundidade nenhuma. Há tantos alvos que quase nunca há dificuldade em arranjar-se algum sítio para ir. Isto parece algo bom até a sensação de perigo desaparece quase completamente devido a todas estas opções. Adicione-se a isto um sistema de combate que quase parece encorajar button mashing, com ataques quase sem recuperação nenhuma e um sistema de combinações que se baseia em simplesmente atingir o inimigo várias vezes seguidas para finalizar com um ataque com um imenso bónus de dano, e sinto que sempre ganho uma batalha não é por habilidade, mas porque simplesmente cliquei em botões. Há várias coisas por volta do arpão, como chapéus que dão habilidades especiais ou 4 armas secundárias, mas honestamente estes aspectos não acrescentam muito ao jogo.

Então, considerando isto tudo, porque é que ainda me diverti com o combate? Porque gostei das lutas, se bem que tive de mostrar as minhas queixas, e acho que é isso que me leva a falar do ponto forte do jogo. Os efeitos sonoros e visuais dão impacto a tudo criando este valor de entretenimento muito particular. Nunca me senti verdadeiramente desafiado, mas fiz coisas neste jogo que me fizeram sentir badass (para falta de um termo melhor).

Talvez esta sensação não era a intenção, pelo menos imagino que não, considerando outro ponto forte do jogo. O ambiente é muito bem-sucedido em criar um mundo que parece hostil e natural, sem muita influência humana, sendo contrastado com a sensação de esperança que se cria na base principal do jogador. Há tanto neste jogo que contribui para o aspecto sinistro, desde as cores do ambiente e da personagem, as criaturas que o jogador encontra e os olhos laranja que se encontram em todo o lado.

Em termos de história Olija não impressionou. O jogo foi muito mais curto do que estava à espera, acabando em 5 horas, e tenho quase a certeza que se pode acabar o jogo entre 3 horas e meia a 4 se não se procurar por segredos. Com tão pouco tempo para se contar uma história, não é de admirar que não se destaque. Isto é uma pena porque, apesar da história em geral não ser muito interessante, tem momentos que me convencem que a equipa por trás do jogo conseguiria fazer uma história excelente. São momentos que conseguiram manter o meu interesse de maneiras completamente diferentes, um sendo uma entusiasmante cena de fuga e outro tendo um lado mais brincalhão que criou uma química interessante entre as personagens principais sem uma única palavra.

No que toca à arte, o estilo simplista tem o seu charme. O uso de cores está feito de tal forma que fui sempre capaz de perceber onde a minha personagem se encontrava, mesmo em ambientes onde eu pensava que poderia perdê-lo algures no ecrã. Quando o preto não oferece contraste com o ambiente, a pele quase branca e o azul do cachecol fazem um trabalho bom o suficiente com isso.

Por fim, o jogo está maioritariamente bem feito tecnicamente. Nunca tive um crash e o jogo correu maioritariamente bem, mas tenho que mencionar que em algumas secções a framerate do jogo começava a sofrer, e os tempos de carregamento foram muito superiores ao esperado.